Rei do Rolezinho é morto espancado em festa funk

Rei do Rolezinho é morto espancado em festa funk

Rua Terra Brasileira. Quebrada da Cidade A.E. Carvalho, zona leste de São Paulo, madrugada de sábado. No chão do baile funk, ficou o corpo do menino Lucas Oliveira Silva de Lima, 18, o Rei do Rolezinho. O delegado José Lopes, do 64º DP, diz que o garoto morreu espancado. “Traumatismo craniano causado por instrumento contundente.” O “Cocão, menino do morro”, como se denominava, tinha 57.480 seguidores no Facebook, a maioria garotas. Era um ídolo. Orgulhoso, assumia suas origens. Escola: Favela. Moradia: Itaquera, zona leste.
Em janeiro, Lucas tornou-se celebridade, depois de organizar um rolezinho no Shopping Itaquera, vizinho de sua casa, na favela da Vila Campanela. Três mil adolescentes participaram, cantando as letras desafiadoras do funk. A polícia interveio com bombas de gás. O pai, pedreiro, levava o moleque para trabalhar com ele. Mas Lucas também tirava uns trocados atuando como estoquista. Adepto da estética do funk ostentação, o dinheiro ganho comprava roupas de grife. Bermudas, só as da Oakley. O imenso relógio dourado no pulso era da marca Invicta. Nos pés, tênis Adidas. As camisas preferidas eram de tipo pólo, da Ralph Lauren.
Tirando o rolezinho de janeiro, nunca o Cocão foi de frequentar DPs. As professoras da Escola Estadual Milton Cruzeiro, onde estudou, dizem que o aluno era um cara tranquilo. O objetivo agora era tirar a habilitação, para dirigir uma nave, quem sabe um Camaro, imenso esportivo da Chevrolet, o sonho de consumo de dez entre dez meninos da periferia. Toda noite dava um salve pros amigos, e iam fumar um “narga” (narguilé).
Mas essa tal nova classe média morena e quase favelada, assim, desejando, comprando, consumindo, frequentando shoppings tem inimigos raivosos.

Na página de Lucas no Facebook e no Twitter esses desafetos comemoraram a morte dele com centenas de posts. Algumas amostras:


“Lucas Lima foi fazer um rolezinho no inferno com Satanás.”
“Agora os lojistas dos shoppings podem trabalharem [sic] em paz , um marginal a menos!”
“Essa peste já foi tarde!! Vai fazer rolezinho com o capeta!
“Menos um fdp na sociedade.”
“Lucas Lima, favela e o caralho! Lixo, o diabo que te leve.”
Os amigos pretendem responder aos ataques com uma grande homenagem ao Lucas, que gostava tanto das grifes caras e de tomar um lanche no McDonald’s. Onde mais? No Shopping Itaquera, onde o garoto nasceu para a fama e glória ao consumo. E prometem, como réquiem, cantar a música do Mc Leeleko que diz:
“Agora eu sou de outro nível, só quero viver sorrindo
Se você virou a página eu queimei o livro
Esqueci todos os problemas ser feliz esse é o lema
Então senta e chora que eu tô tomando a cena
Exalto sou periferia, sou cria desde pequeno
Pra chegar até aqui passei por muito veneno (vai vendo
Me sentia o bambambam, de carrinho de rolimã
Meu pai é meu diamante minha mãe é meu talismã
Eles viram o meu sofrimento, viu toda minha caminhada
De rolimã pra catraca, depois as rodas cromadas (e agora?)
Vai vendo até um apê na praia, moto 1100 cilindradas
Sucesso pelo estado explodindo pelas quebradas.”
É. O rolezinho continua.

Comentários

comentar

Leave a Reply

Visit Us On TwitterVisit Us On FacebookVisit Us On Google Plus