Noticia, TV

Netflix anuncia produções brasileiras, mas as reprises é que fazem sucesso, segundo jornal

Na última quarta-feira (24), no evento Rio2C no Rio de Janeiro, Ted Sarandos, o chefe da área de conteúdo da Netflix, anunciou que a empresa está desenvolvendo 30 projetos no Brasil. Entre as produções, estão séries e filmes, em diferentes estágios de produção. Uma das maiores novidades, é a contratação de Maísa Silva, do SBT, para protagonizar três filmes.

“O Brasil tem talentos extraordinários e uma longa tradição em contar grandes histórias. É por este motivo que estamos animados em aumentar nosso investimento na comunidade criativa brasileira”, disse Sarandos. Segundo o colunista Mauricio Stycer, do UOL, a fala do executivo não se concretiza em sua totalidade. Em uma reportagem do The Wall Street Journal, um dos principais jornais de economia do mundo, resumiu qual é o atual problema da Netflix.

A empresa acredita que  novas séries originais impulsionam as assinaturas, porém, de acordo com os dados do The Wall, mostram que não impactam tanto assim a audiência. De 10 programas que os assinantes da Netflix mais passaram o tempo assistindo em 2018, apenas dois eram originais – Ozark e  Orange Is the New Black. Todas as outras eram reprises: The Office, Friends, Grey´s Anatomy, Shameless, Criminal Minds, NCIS, Supernatural e Parks and Recreation.

Veja também:

As séries novas costumam obter picos de audiência, principalmente quando são lançadas, como aconteceu com Stranger Things em 2017. A Netflix contesta estes números. Segundo a empresa, observar apenas o tempo gasto assistindo exagera a importância das reprises, que têm mais episódios do que os originais do serviço de streaming. “Concentrar-se nas séries e filmes que os assinantes escolhem e assistem é mais valioso do que quanto tempo eles gastam em uma série comparada a outra”, disse ao jornal o porta-voz da empresa.

Logomarca da Netflix (Foto: Reprodução)

Você também pode gostar