Programas

“Jornal Nacional” termina de forma silenciosa por conta da morte do diretor Carlos Manga

Pela primeira vez, desde que passou por uma total reformulação (27 de abril), o “Jornal Nacional” encerrou de forma silenciosa demonstrando respeito ao diretor Carlos Manga que faleceu na tarde desta quinta-feira, 17,. O diretor morreu no Rio de Janeiro, mas não se sabe o motivo da morte. O óbito do veterano e talentoso diretor foi confirmado pela CGC (Central Globo de Comunicação).

Carlos começou a sua carreira no ano de 1952 quando participou  do filme “Carnaval Atlântida” , a partir daí já no ano seguinte ele dirigiu um novo trabalho, a partir daí foram vários outros. Curiosamente o último filme dirigido pelo diretor foi a mais de 28 anos quando dirigiu “Os Trapalhões e o Rei do Futebol” no ano de 1986. Carlos sempre foi visto como um homem alegre e engraçado e era uma figura muito querida e respeitada no meio profissional.

Na TV Globo, Carlos dirigiu vários trabalhos, entre eles a novela “Belíssima” (2006), “Eterna Magia” (2007) e o “Sítio do Pica Pau Amarelo” em 2001. Além de muitos outros. O humorista Renato Aragão (Didi), lamentou a morte do amigo. Carlos Manga tinha 87 anos e o local e horário do seu enterro ainda não foi informado.

(Foto: Internet)

(Foto: Internet)

Veja também:

Você também pode gostar