Noticia, TV

Homem perde o controle e arranca microfone de repórter da RecordTV

Ser repórter é realmente um ato de bravura, afinal de contas, lidar com histórias de pessoas diferentes nem sempre termina da melhor forma. Um repórter da Ric TV, afiliada da RecordTV no Paraná, acabou sendo destratado por um profissional de uma imobiliária enquanto gravava o quadro Direito do Consumidor, onde o caso da vez tratava-se de um homem que comprou um imóvel e se sentiu lesado.

Ao tentar financiar com a imobiliária, ele viu que as coisas não eram do jeito que imaginava. O objetivo da ida da equipe da RecordTV era justamente conseguir um acordo para que o valor fosse devolvido e uma cópia do contrato fosse disponibilizado, porém, ao tentar conversar com o responsável pelo local, o homem se mostrou impaciente e e arrancou o microfone das mãos do repórter, que ficou incrédulo. No final das contas, a emissora conseguiu conversar com os advogados da empresa e chegou em um acordo para o caso em questão.

Repórter da Band foi assaltada recentemente

A jornalista Joana Treptow relatou no último dia 26, durante o Brasil Urgente, os momentos de terror que passou ao ser vítima de arrastão. A repórter estava com uma amiga em um restaurante no Rio de Janeiro, quando o mesmo foi invadido por três homens armados, que fizeram uma verdadeira limpa em todos, levando pertences valiosos como jóias e celulares.

“Foi ontem à noite. Nós estávamos jantando, totalmente desatentas para esse tipo de coisa, e três homens armados entraram no restaurante e fizeram uma limpa, um arrastão. Roubaram todas as pessoas que estavam lá dentro, inclusive, claro, eu e minha amiga. Levaram todos os nossos pertences, celular, jóias, anéis, dinheiro”, disse Joana, que afirmou nunca ter passado por isso na sua vida.

Veja também:

Portuguesa, ela conta que nem percebeu o assalto imediatamente, só se dando conta depois que viu um dos criminosos com a arma em punho. Transferida para o Rio de Janeiro em maio, ela disse que só tinha visto coisas do tipo nas matérias que faz para o jornalístico, deixando claro que se tornou vítima de algo que até então só descrevia.

“Não, Datena, nunca, e Deus me livre de experimentar de novo. Nunca tinha passado por isso, nós noticiamos isso aqui todos os dias, e é uma sensação de medo muito grande, de impotência. Realmente, não dá para fazer nada. É aquilo que você sempre fala aqui, Datena: não se pode reagir”, disse a jornalista portuguesa.

Repórter teve microfone arrancado de suas mãos (Foto: Reprodução)

Você também pode gostar