Novelas

Em “Velho Chico”, Afrânio ameaça matar Santo

No capítulo da novela “Velho Chico”, prevista para ir ao ar dia 1º de junho, Afrânio o Coronel Saruê (Antonio Fagundes), ameaçará matar Santo (Domingos Montagner). As informações são da jornalista Márcia Pereira, do site Noticias da TV. Segundo ela, Afrânio vai duelar com Santo. Pressionado a mentir em uma audiência, Edenilson (Flávio Rocha) fugirá da cidade, traindo o coronel. Ele entregará uma procuração ao presidente da cooperativa, deixando sua safra e suas terras nas mãos de Santo. O mocinho irá para o local com um caminhão buscar as frutas. A notícia chegará aos ouvidos do Saruê, que correrá para lá com seus jagunços e ameaçará matar o agricultor.

Afrânio apontará uma arma para Santo e prometerá colocar um fim em sua vida se ele tocar em uma fruta da safra de Edenilson. Ele só atirará porque Lucas (Lucas Veloso) ficará sabendo de tudo e pedirá socorro ao delegado Germano (Cláudio Jaborandy), que chegará a tempo de evitar uma desgraça. Quando o Saruê chegar ao local, além dos funcionários da cooperativa, Bento (Irandhir Santos) também estará com Santo. “Desça tudo desse caminhão, agora. Tire as mãos dessas fruta e se afaste desse caminhão! Essa carga é minha!”, gritará Afrânio, invadindo o sítio com Cícero (Marcos Palmeira) e outros homens.

O marido de Luzia (Lucy Alves) ordenará que o trabalho continue e descerá do caminhão. “Coroné carece de botá aviso nem ameaça, que eu sei muito bem onde é que tô pisando”, falará Santo. “Quem mexe no que é meu encontra enrosco pra vida inteira. O dono dessas frutas sou eu”, esbravejará Afrânio, mostrando o cabo de sua pistola na cintura. Bento se colocará entre os dois e avisará que tem um contrato e uma procuração de Edenilson dando plenos poderes a Santo. “Num vô discuti palavra de um nem palavra de ôtro! Só vô pedi pro coroné saí dessas terra, que são minha”, falará Santo. “Essas terra não são suas”, responderá o Saruê.

Ele vão discutir com valentia até Afrânio se descontrolar, puxar sua arma e apontá-la na direção do inimigo. “Você encoste um dedo nas minha fruta, que vai morrer aqui mesmo”, ameaçará o coronel. O impasse criará um suspense. Vai parecer que Afrânio vai atirar mesmo. Nisso, o delegado chegará fazendo cantar os pneus do seu carro. “Esses dois sujeitinho vieram tentar roubar minha carga mais uma vez”, adiantará o Saruê. Germano contará o número de empregados da cooperativa ali e avisará que todos são testemunhas.

“Coronel é homem das leis e sabe que o flagrante, por si, já serve como prova. Se puxar o gatilho, então, vai ter de disparar muita bala pra calar a boca de todo mundo. Será que vale a pena, coronel?”, questionará Germano, para surpresa de Afrânio. O Saruê afirmará que está só defendendo o que é seu, mas acabará baixando o revólver.

Ele mandará o delegado ir embora porque está tudo sob controle. “Com todo respeito, coronel, o senhor não está em condição de dizer o que está e não está sob controle”, afirmará o delegado. Afrânio e seus jagunços sairão de lá revoltados, mas, depois, o coronel prometerá a Cícero que se vingará dessa humilhação em breve.

Afrânio x Santo (Foto:Reprodução)
Afrânio x Santo (Foto:Reprodução)