Novelas

Em reta final, Walcyr Carrasco cria mistério sobre personagem de “Êta Mundo Bom”

“Êta Mundo Bom” já passou do capítulo 155, e em meio a essa transição, imagina-se que todos os enredos já estão completamente firmes na sua base. Na prática, isso significa dizer que o público já entendeu quem é do bem, e quem é do mal. No entanto, essa regra não se aplica a Walcyr Carrasco, autor de “Êta Mundo Bom”, que deverá blindar com o público, algumas surpresas.

Isso porque, em uma análise feita pelo colunista Mauricio Stycer, do UOL, ficou perceptível que só a partir de agora, o público tomou conhecimento de que Braz (Rômulo Neto) é um personagem ambíguo, ou seja, ainda não está claro se trata-se de uma pessoa boa, ou ruim. Algumas atitude do personagem, mostra crueldade, já em outras ocasiões, mostram compaixão. É nisso aí que o autor acaba de amarrar mais um pilar da sua trama.

Essa ambiguidade de Braz já era um tanto prevista, mas não da forma que aconteceu. Ele iniciou a novela, como um rapaz quieto, que passou a desafiar seu pai, Severo (Tarcísio Filho), que agredia e humilhava a sua mãe, tudo isso por conta de uma mulher da rua, que estava destruindo sua família, essa mulher vem a ser Diana (Priscila Fantin). Diante da morte da sua mãe, Braz prometeu vingança.

Veja também:

Em um plano bem montado, ele fingiu baixar a guarda com seu pai, propondo uma relação mais próxima. Paralelo a isso, ele seduziu e jurou amor a Diana. Após algum tempo, ele simplesmente fez com que a mulher continuasse arrancando dinheiro do seu pai, e orientou que ela arrancasse tudo de Severo. O resultado disso tudo é que ele deixou Severo e Diana na miséria.

Diante de uma ação como essa, conclui-se que ele é mau, correto? Nem tanto, já que ao ganhar todo dinheiro, ele pegou metade da quantia, e em um ato generoso e de compaixão, colocou na conta da sua irmã, Maria  (Bianca Bin). Diante disso tudo, o público não sabe o que esperar do personagem para a reta final, e pelo visto Walcyr Carrasco não está afim de revelar nada. Para se ter uma ideia, afim de explicar ao público de que Braz é um homem de personalidade duvidosa, em um diálogo com Maria, Celso (Rainer Cadete), disparou: “Seu irmão é estranho. Às vezes, parece bom, às vezes parece mau”. Pelo sim, pelo não, Walcyr Carrasco terá pouco tempo para explicar ao público quem é Braz, já que “Êta Mundo Bom” está na sua reta final.

Braz é um homem de personalidade duvidosa (Foto: Reprodução/Globo)

Braz é um homem de personalidade duvidosa (Foto: Reprodução/Globo)

Você também pode gostar