Entrevistas Exclusivas

Confira a entrevista exclusiva com o autor Rui Vilhena

O jornalista Igor Martim realizou uma entrevista exclusiva para o Famosos na Web, com o autor Rui Vilhena, quem tem como última novela “Boogie Oogie” exibida na faixa das 18h na Rede Globo. Durante o bate papo Rui falou sobre o seu estilo de escrita, os pontos positivos e negativos “Boogie Oogie”, entre outras coisas. Confira abaixo!

Igor Martim: Nos anos 90, ficou muito evidenciado os estilos dos autores de telenovela, aqui no Brasil. Consegue descrever seu estilo de escrita?

Rui Vilhena: Rápido, dinâmico e caústico. Meu texto não tem barriga. As ideias e as palavras são precisas. Quase como equação matemática. Valorizo muito a técnica. Cena tem que ser curta e com ritmo.

Rui Vilhena (Foto: Divulgação)

Igor Martim:Quais foram os pontos positivos e negativos em sua última novela Boogie Oogie?

Rui Vilhena: As audiências, sem dúvida, foram postivas e mostraram que a história agradou. Isso é o mais importante. Afinal, novela é para entreter o público. Negativo, como todo autor de novela sente, é o cansaço. O ritmo é alucinante. Mas quando a gente trabalha com paixão, a alegria e o prazer superam qualquer exaustão.

Igor Martim: O Brasil vive uma proliferação de “críticos” de novela, que muitos não entendem nada do gênero, citações bobas do corpo ou rosto de um determinado ator, além de questionar os acontecimentos da trama exigindo lógica, sendo que a vida real não tem. Ler tudo que sai a respeito da sua trama? Consegue fazer uma crítica dessa situação?

Veja também:

Rui Vilhena: A novela é um produto popular. Assim como o futebol, todo mundo gosta de dar palpite… Existe um Zagalo e uma uma Janete Clair dentro de todo brasileiro. A crítica é sempre bem vinda, se for construtiva.

Rui Vilhena escreveu “Boogie Oogie” (Foto: Reprodução)

É um lamento para um autor entregar um bom personagem para um ator e ele não dá conta do recado? Tem jogo de cintura para lidar com essas “tempestades” dramatúrgicas?

Rui Vilhena: As vezes acontece. A química entre o ator e a personagem não rola. A arte, assim como a vida, tem seus desencontros. Quem nunca se apaixonou pela pessoa errada? Mas também já me surpreendi de maneira positiva: quando um ator engrandece a personagem.

Autor Rui Vilhena (Foto: Divulgação)

Você também pode gostar