Emissoras, Noticia

Com jornalistas em greve, emissoras de Alagoas exibem reportagens repetidas

Em Alagoas, os telespectadores estão com a programação das afiliadas da Globo, SBT e Record TV um tato confusa. Isso se deve a uma greve de jornalistas, por isso, matérias exibidas anteriormente em outros programas estão sendo reprisadas nos telejornais, que não estão sendo gravados desde a última segunda.

Os profissionais entraram em greve contra a redução de 40% do piso salarial que foi imposto pelas principais empresas de comunicação em Maceió. Os repórteres, apresentadores, produtores, editores e cinegrafistas aderiram à paralisação. O Sindicato dos Jornalistas de Alagoas – Sindjornal – está realizando concentrações nas portas das TVs Gazeta de Alagoas, Pajuçara e Ponta Verde.

Para ocupar a programação, a TV Gazeta, afiliada da Globo, exibiu uma matéria do Globo Rural no Bom Dia Alagoas e outra sobre a campanha Maio Amarelo, do mês passado, no telejornal ALTV – Primeira Edição. Na TV Ponta Verde, afiliada do SBT, exibiu no Plantão Alagoas, uma reportagem antiga simulando um ao vivo, mostrando que a produção não teria sido afetada pela greve.

Produções de outros estados também entraram na programação dos canais. Foram exibidas reportagens do Mato Grosso, Bahia, Espírito Santo, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. As mudanças no horário local foram observadas pelos telespectadores, que não deixaram de comentar nas redes sociais.

O presidente do Sindjornal, Izaias Barbosa, criticou o que as emissoras estão fazendo na programação. “Estão exibindo matérias antigas, reeditando outras para requentar informações velhas e alongando as entrevistas para ganhar tempo. Isso é uma falta de respeito com o jornalista e também com o telespectador, que acredita que ali se trata de uma notícia nova”. Além disso, foram contratados jornalistas como free lancer, vindo de outros estados, para trabalharem no lugar dos grevistas. O sindicato afirmou que houve remanejamento de profissionais da reportagem para a apresentação e acúmulo de função, sob ameaça de demissão. Os casos foram denunciados ao MPT (Ministério Público do Trabalho).

Jornalistas de Alagoas protestando contra a redução de seus salários (Foto: Reprodução/Sindjornal/Instagram)

Você também pode gostar