Noticia, Novelas

Cidade cenográfica de O Sétimo Guardião ganha destaque por sua grandiosidade; Confira!

A nova novela das 21h de Aguinaldo SIlva, O Sétimo Guardião, com Lília Cabral, Bruno Gagliasso e Marina Ruy Barbosa estreará em 12 novembro na Rede Globo. Apesar do elenco de peso, o que mais vem chamando atenção de todos é a cidade cenográfica da trama, a maior já construída na emissora.

Na última terça-feira (30), a Globo abriu os seus estúdios no Rio de Janeiro para toda a imprensa para poder visitar os 18 mil metros da cidade fictícia Serro Azul, construída exclusivamente para a trama. No entanto, o destaque de O Sétimo Guardião fica em um galpão de mil metros quadrados, que reproduz uma fonte perfeita nos Estúdios Globo. Ao todo, são sete metros de queda d’água e uma piscina de dois metros de profundidade.

“A fonte é um projeto atípico, foi um desafio pelo tamanho e tempo que tínhamos. Foi construída em tela e pano, é um cenário bem artesanal. A inspiração são as próprias cavernas que visitei em ocasião da procura de locação na novela Império”, declara cenógrafa Anne Marie Bourgeois. Na trama, a linda fonte é protegida pelos guardiões por causa de seus poderes. “Nos menores detalhes da decoração eu fiquei muito impressionado na primeira vez que vi. Saiu como eu imaginava. O que mais me chamou atenção foi a fonte. Eu esperava uma fontezinha (risos). Eu acho que nem Hollywood faria uma fonte daquelas”, disse o autor Aguinaldo Silva.

Veja também:

Além disso, o autor pretende fazer um alerta sobre o futuro da água no mundo. “A água é mais importante que o petróleo. O petróleo vai acabar um dia e teremos outros combustíveis que não serão o petróleo. Agora se água faltar não tem jeito. E a gente sabe que vai chegar o momento que a água vai ser o bem mais precioso da humanidade. Por de baixo dessa magia em torno da fonte, tem um pouco dessa história. O que vamos fazer pra preservar a água. A água na terra é sempre a mesma, não diminui e nem aumenta a quantidade, o números de pessoas que tá aumentando, escandalosamente, e vai ter um momento que não vai ter água pra todo mundo. Não é uma crítica, é um alerta”, explicou o autor.

Você também pode gostar