Celebridades

Chay Suede não acredita em amores como o de Anna e Joaquim de “Novo Mundo”

No ar vivendo Joaquim em “Novo Mundo”, Chay Suede contou detalhes de como estar sendo a experiência de fazer parte da trama de época: “Foi muito bacana fazer um trabalho que envolvesse esse assunto, apesar de envolver de uma maneira mais superficial que o horário e o produto, pelo fato de ser uma novela, acaba impondo, querendo ou não leva algumas informações que o público ainda não tinha sobre esse assunto, o público em geral não tem nenhuma informação sobre esse assunto, como todos nós, a gente sabe muito menos sobre os índios do que deveríamos saber, mas de qualquer maneira eu acho importantíssimo ter um trabalho no horário das 18h na TV aberta que traz esse assunto à tona com carinho, com uma visão amorosa”, conta.

Chay comemora a repercussão do seu personagem. “Nas ruas o meu nome agora é Joaquim, é impressionante. Eu já tinha feito outros personagens que tiveram algum apelo, mas nunca o meu nome virou o do personagem como agora. E todo mundo me conhece como Joaquim e eles têm um carinho imenso pelo personagem. É um personagem muito amoroso, ele tá sempre disposto a espalhar amor, a ajudar alguém, muito prestativo, pró-ativo com todo mundo, e isso acabou cativando de alguma maneira as pessoas que sentem como se o Joaquim fosse alguém da família. Muito legal”, vibra.

O ator não acredita que possa existir amores como o de seu personagem e Anna, interpretado por Isabelle Drummond: “Acho que não existe, é uma coisa pra novela, tem a ver com o melodrama, com esse formato. Na vida, o amor pode se manifestar de maneiras até mais intensas, mas desse jeito que é retratado, acho muito novelesco, acho o amor muito mais profundo do que passa numa novela, ao mesmo tempo não precisa ser tão romântico, pode ser mais real até”, revela.

Veja também:

Ele conta que não se importa com cobranças feita pelas pessoas. “Pode ser que tenha, mas eu acabo não sentindo. As cobranças que eu sinto são as auto cobranças normalmente. Cobranças de terceiros para me afetar, se for meu pai, minha mãe, pessoas que eu respeito muito a opinião, me afetam, mas em geral, cobranças de terceiros não me afetam. A cobrança dos outros me movem menos do que as cobranças de pessoas com quem eu tenho contato diário”. Com informações do site UOL.

Chay Suede (Foto: Ellen Soares/ Gshow)

Você também pode gostar