“Viola Minha Viola” 19/10/14 Mayck e Lyan são uma das atrações do programa

Neste domingo 19/10 com representação no sábado 25/10

Neste domingo 19/10 com representação no sábado 25/10

No domingo (19/10) e no sábado (25/10), as atrações do programa da TV Cultura são: a talentosa dupla jovem Mayck e Lyan; também o repertório fantástico de Belmonte e Amaraí; e ainda a viola instrumental com o luthier e instrumentista Braz da Viola. Destaque para as músicas “Nhapopé”, “Bombardeio”, “Garça Maguari” e “Corrupio”.

A dupla mato-grossense Mayck e Lyan participam do programa, interpretando sozinhos, somente com voz, viola e violão, uma “Seleção de Solos e Pagodes” – com trechos de –, além de “Bombardeio” (Mayck Meira/Lyan) e “Caçador” (Tião Carreiro/Carreirinho). “A nossa família é bastante sertaneja. Nós somos do Mato Grosso, nosso avô trabalhou durante muitos anos na fazenda, nós vivemos um período de nossa vida também na fazenda. Então o sangue caipira está na veia, não tem jeito”, conta Mayck. “É um prazer estar novamente neste palco abençoado. Para nós é como se fosse a primeira vez. Muita emoção”, complementa Lyan.

Na sequência é a vez da dupla de pai e filho Belmonte e Amaraí. No repertório, os dois interpretam, ao lado do sanfoneiro Orlando Ribeiro e do harpista Fernando Diaz, as músicas “Garça Maguari” (Tertuliano Amarilha/Goiá), “Instante do Amor” (Amaraí/Vanderil/J. Garcia) e “Desventura” (Zacarias Mourão/Biguá/Zé do Rancho). “São mais de 40 anos de história e o intuito aqui de pai e filho é dar continuidade à bandeira Belmonte e Amaraí. E aqui neste palco é onde a família sertaneja se encontra”, conta Francis, nome verdadeiro do filho de Amaraí e que adotou o nome de Belmonte na dupla.

A terceira atração do programa é o luthier e violeiro Braz da Viola. Professor de viola, trabalhou em salas de aula por mais de 10 anos. Desenvolveu métodos próprios de ensino, editados em forma de livros, CDs e Vídeo – aulas. Como luthier, aprendeu o ofício da construção da viola caipira com Renato Vieira, proprietário de uma fábrica de violas de Catanduva (SP). Constrói em oficina própria diversos tipos de viola, inclusive a viola de cocho, instrumento típico do Pantanal. Como regente, fundou em 1991, em São José dos Campos (SP) a Orquestra de Viola Caipira, com o objetivo de divulgar e popularizar a viola caipira e, também de formar e agrupar violeiros. Como violeiro, já gravou muitos discos, entre eles “Modas e Violas do Vale” (1995), “Clarão do Luar” (1997), “Feito na Roça” (1998), “Festa no Lugar” (2000), “Viola de Coité” (2001).

Divulgação: TV Cultura