Última carta de passageiras do Titanic é vendida por 119 mil libras

Uma carta de uma passageira do Titanic, escrita poucas horas antes de o navio atingir um iceberg e afundar em sua viagem inaugural, foi vendida em um leilão por 119 mil libras esterlinas no sábado (26).
Ela foi escrita pelas sobreviventes britânicas Esther Hart e sua filha de sete anos, Eva, que viajavam na segunda classe a caminho do Canadá e de uma nova vida.
A casa de leilões Henry Aldridge and Son disse acreditar que o preço é um recorde para uma carta do Titanic. “Houve muito interesse”, declarou um porta-voz. “Vendemos outras cartas do Titanic, mas nenhuma alcançou um preço como esta”.
O Titanic naufragou na noite de 14 de abril de 1912, um domingo, no quinto dia de sua primeira e única viagem de Southampton a Nova York. Mais de 1.500 passageiros e tripulantes perderam a vida na tragédia, incluindo Benjamin, marido de Hart.
A carta, escrita em um papel especial com o cabeçalho “A Bordo do RMS ‘Titanic'” e com um envelope com a bandeira da linha White Star em alto relevo, deveria ser entregue à mãe de Hart em Chadwell Heath, no leste de Londres. Ela conta como Esther estava sentindo enjoo e frio na travessia.
“Minhas queridas todas”, diz. “Como podem ver, é domingo de tarde e estamos descansando na biblioteca depois do almoço. Passei mal o dia todo, ontem não consegui comer nem beber, enjoada o tempo inteiro, mas hoje me recuperei.”
“Os marinheiros dizem que tivemos uma travessia maravilhosa até agora. Não houve tempestade, mas Deus é quem sabe como deve ser quando vem uma. O tempo está ótimo, mas terrivelmente frio e ventoso.”
Ela acrescenta: “Eles dizem que podemos chegar a Nova York na noite de terça-feira, mas na verdade deve ser na manhã de quarta. Escreverei assim que chegarmos lá.”
A carta, com uma saudação alegre da jovem Eva no final, sobreviveu porque estava no bolso do casaco de seu marido, que ele tinha dado à esposa para mantê-la aquecida enquanto o navio era esvaziado.
Esther e Eva, que mais tarde rememoraram os eventos das últimas horas do transatlântico em sua biografia “Sombra do Titanic”, foram resgatadas pelo HMS Carpathia. (Agência Reuters)