Presidente de escola de samba faz discurso de ódio ao vivo e tem microfone cortado

Como já se sabe, a Globo tem o poderio de todo o desfile das escolas de samba que acontece nos sambódromos, tanto de São Paulo, quanto no Rio, e na noite desta sexta (13), a abertura dos desfiles no Anhembi em São Paulo foram marcadas por acontecimentos polêmicos.

Um deles foi no momento em que o presidente da escola de samba Mancha Verde, o Paulo Serdan, fez críticas ao presidente do Palmeiras, em discurso de ódio, quando teve seu microfone cortado e o áudio impossibilitava que se ouvisse, logo que se percebeu que não era um simples comentário feito para discursar a felicidade do momento da estreia dos espetáculos no sambódromo.

“Chegou o grande momento da nossa história. Os fofoqueiros do Anhembi falaram que vamos cair. Sabe porque não vamos cair? Porque essa é a nossa segunda arrancada heroica. Menos o presidente do Palmeiras que ignorou essa festa. Vai ser o melhor desfile da história da Mancha”, disse Paulo, presidente da mancha verde, criticando ao presidente do Palmeiras antes de ter seu áudio cortado.

(Imagem: Reprodução/Globo)

(Imagem: Reprodução/Globo)