Pontos de Cultura se reúnem após 4 anos sem editais nacionais do ministério

A partir desta segunda-feira (19), os pontos de Cultura se reúnem na cidade de Natal (RN) durante a Teia da Diversidade, que tem programação prevista até sábado (24). Além de concentrar a diversidade cultural e regional do país, o encontro também será um momento de definição política dessa rede de fomento à cultura, criada em 2004 pelo então ministro da Cultura Gilberto Gil para estimular iniciativas culturais da sociedade civil já existentes por meio de convênios.
A última reunião entre os pontos de Cultura foi realizada em 2010 no Complexo Cultural Dragão do Mar, em Fortaleza (CE). Nesse espaço de quatro anos sem um encontro nacional, algumas demandas ficaram represadas e os representantes esperam retomar o diálogo com o Ministério da Cultura durante o evento. “Há quatro anos sem um fórum nacional, perdemos muito de nossa articulação e das prioridades de nossas ações”, comenta Lula Dantas, representante da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura.
Dantas queixa-se de que, durante esse período, o Ministério da Cultura não tenha lançado nenhum edital ou prêmio voltado para os pontos e está na expectativa de que algo nesse sentido possa ser concretizado durante a teia, que contará com a presença da ministra da Cultura, Marta Suplicy, e do secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. “Buscamos recursos em outros editais e em opções regionais para nos manter. O Ministério da Cultura já acenou positivamente com relação ao lançamento de editais e prêmios este ano, mas nada de concreto foi oficializado ainda”.
De acordo com o diretor de Cidadania e Diversidade Cultural do ministério, não houve um abandono de investimentos por parte do governo federal, mas sim uma mudança na forma de repasse dos recursos da pasta. “Desde 2008 houve a estadualização dos editais. Desta forma, o ministério entra com, em média, 70% do investimento, enquanto o estado arca com o restante. Foram vários os editais publicados dessa forma, como o que selecionou 50 pontos para a cidade do Rio de Janeiro, 85 para São Paulo, 160 para a Bahia, 160 para o Rio Grande do Sul e 40 para Alagoas”, explicou.
Vasconcelos destacou que o lançamento de editais nacionais passou a ser direcionado para grupos identitários e temáticos. “Na teia, vamos lançar editais nacionais nesse sentido, mas não podemos esquecer dos editais lançados pelo governo federal nos últimos anos e que também beneficiaram os pontos, como os direcionados a pontos de memória, pontos de leitura, cultura popular e indígena e até mesmo o que selecionou, recentemente, grupos para participação na Copa do Mundo”, ressaltou.

(Agência Brasil)