O Pivô abre simultaneamente exposições da brasileira Erica Ferrari e dos artistas espanhóis participantes do programa El Ranchito

Os artistas apresentarão publicamente os resultados de sua residência artística dentro do programa Pivô Pesquisa. Érica na forma de uma exposição individual intitulada “Corpos D`água” e os demais artistas exibirão o resultado de suas pesquisas em São Paulo que continuarão em Madrid.
No dia 2 de agosto o Pivô inaugura simultaneamente as exposições “Corpos d’Água’, da artista Erica Ferrari, e o resultado da residência artística realizada pelos artistas espanhóis participantes da residência El Rachito, programa do Espaço Cultural Matadero, em Madri. As mostras ficam em cartaz até o dia 30 de agosto
“Corpos d’Água”, de Erica Ferrari, é o resultado de sua pesquisa artística realizada no ambiente do Pivô nos meses de junho e julho. A artista usa a paisagem estrutural da região central de São Paulo para discutir como ela afeta o cotidiano de seus moradores. O título do trabalho indica um aspecto que pode ser visto como simbólico da situação estrutural de São Paulo: a condição de seus rios. Fundamentais para a vila paulistana originária e decisivos para o crescimento da cidade, eles sofreram intervenções drásticas. A partir disso, a exposição busca refletir acerca das alterações na paisagem original da cidade durante seu crescimento.
A artista apresentará seu projeto no ambiente do Pivô Pesquisa, plataforma de desenvolvimento de projetos e experimentação artística vinculada ao Pivô que culminará na apresentação pública das obras desenvolvidas. Este projeto foi contemplado pela Secretaria de Cultura de São Paulo, através do Edital ProAC.
No mesmo dia, o Pivô inaugura a exposição dos artistas Ana Belén López Plazas, Marta Muñoz Legido, Pablo Santacana, Natalia Dominguez Torres e Raúl Díaz Reyes, selecionados para participar do programa El Ranchito de residências artísticas do Espaço Cultural Matadero, em Madrid. O programa tem como objetivo criar laços entre as comunidades artísticas do Brasil e da Espanha através do convívio entre os artistas espanhóis convidados e os brasileiros que frequentam o espaço do Pivô e seu público.
A parceria entre o Pivô e o Matadero se articula a partir dos pontos em comum entre as duas instituições que recebem projetos que investigam as relações entre as propostas artísticas e o contexto em que se inserem, a partir de uma perspectiva multidisciplinar.