O francês Ribéry é ameaça de tomar a bola de ouro de Cristiano Ronaldo que era favorito

Por mais que não tenha conquistado títulos pelo Real Madrid em 2013, as boas atuações e os gols marcados no ano passado transformaram Cristiano Ronaldo no grande favorito para levar a Bola de Ouro da Fifa, nesta segunda-feira, dia 13 de janeiro. Aliado a isso está o ano abaixo da média de Messi.

E até o próprio Cristiano Ronaldo sabe que é favorito. A princípio, o camisa 7 do Real e da seleção portuguesa não iria ao evento que acontecerá em Zurique, na Suíça, mas colocou um ponto final na polêmica sobre sua participação e confirmou presença.

“É um assunto encerrado. Não quero mais falar disso. Só posso dizer que vou à cerimônia de gala”, assegurou Cristiano Ronaldo após a vitória por 3 a 0 diante do Celta de Vigo, na semana passada. A única vez que o jogador conquistou o prêmio foi em 2008, quando ainda defendia o Manchester United.

Sem muita modéstia, CR7 disse recentemente ao diário português “A Bola” que merece ser o vencedor da Bola de Ouro. Não só em 2013, mas em todas as temporadas. “Acho que mereço ganhar todos os anos. Gosto de ganhar sempre, mas sei que não depende de mim. Às vezes você ganha, outras, perde”, finalizou.

Com a camisa do Real, Cristiano Ronaldo fez 50 jogos em 2013, com 59 gols marcados – uma excelente média de quase 1,2 gol por partida. Já pela seleção de Portugal, o atacante participou de nove duelos, tendo anotado 10 gols. Aliás, os tentos que garantiram os lusos na Copa de 2014 foram decisivos para transformar o jogador em favorito na Fifa.

Na repescagem das eliminatórias contra a Suécia, no mês de novembro, Portugal venceu em casa por 1 a 0 e depois voltou a triunfar, dessa vez no campo do adversário, por 3 a 2. Todos os quatro gols dos portugueses foram anotados por Cristiando Ronaldo.

Ameaça francesa após dois vices seguidos

Nas últimas duas Bolas de Ouro da Fifa, em 2012 e 2011, o português bateu na trave, ficando com a segunda posição. O vencedor das últimas quatro edições da premiação foi Lionel Messi, mas um ano de 2013 cheio de lesões e fracassos pelo Barcelona deixaram o camisa 10 argentino em segundo plano.

Se Messi está um passo atrás, o mesmo não se pode dizer do francês Franck Ribéry, ameaça real ao reinado de Cristiano Ronaldo. Pelo Bayern de Munique, o meia-atacante ganhou tudo o que disputou – foi o principal jogador nos títulos da Copa da Alemanha, Campeonato Alemão, Champions League e Supercopa da Europa.

Além disso, Ribéry foi eleito pela Uefa o melhor jogador da temporada passada na Europa. O meia do time alemão ficou com 36 dos votos, contra 14 de Messi e três de Cristiano Ronaldo.

Técnicos e capitães das seleções nacionais e jornalistas selecionados pela Fifa e pela revista francesa “France Football” participam da votação de melhor jogador do mundo. No regulamento do pleito, os treinadores e atletas não podem escolher representantes de seus próprios times