“Minuto do Christian” Veja as novelas que mais marcaram quando foi exibida, e que ainda é lembrada pelo público.

Hoje eu vou listar algumas novelas que marcaram quando foram exibidas, essas novelas na minha opinião foram as que mais marcaram quando foram exibidas.

A trama começa quando Tieta é escorraçada da cidade pelo pai, Zé Esteves. Se sentindo desonrado com o comportamento liberal de Tieta e influenciado pelas intrigas da sua outra filha, Perpétua. Zé Esteves decide esquecer que Tieta é sua filha, e a expulsa da sua casa. Humilhada, Tieta segue para São Paulo, fugindo do conservadorismo da população de Santana do Agreste, no nordeste brasileiro.

Vinte e cinco anos depois, Tieta reaparece em Santana do Agreste, rica e exuberante, decidida a se vingar da família. No dia em que chega na cidade, está sendo rezada uma missa em sua memória e Tieta interrompe a celebração, desfazendo o mal entendido. Agora, cortejada por todos, Tieta percebe que nada mudou em Santana do Agreste e que todos continuam hipócritas. A presença da ousada Tieta acaba mudando a rotina dos moradores da cidade. Para chocar mais a família, Tieta aceita se envolver com seu sobrinho, o jovem seminarista Ricardo, filho da sua rancorosa irmã Perpétua. O sonho de Perpétua é que Ricardo se torne padre.

Contou com Betty Faria, Reginaldo Faria, José Mayer, Lídia Brondi, Yoná Magalhães, Sebastião Vasconcelos, Cassio Gabus Mendes, Marcos Paulo, Arlete Salles, Flávio Galvão, Ary Fontoura, Armando Bógus e Joana Fomm nos papeis principais.

Foi escrita por Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares e dirigida por Reynaldo Boury, Ricardo Waddington e Luiz Fernando Carvalho, com direção geral de Paulo Ubiratan.

Tieta foi produzida pela Rede Globo  de 14 de agosto de 1989 e 31 de março de 1990.

Em Os Mutantes: Caminhos do Coração, as mutações perigosas continuam a se espalhar pela sociedade, que transformam homens e mulheres em vampiros, felinos, serpentes e lobisomens, atacando nas ruas de São Paulo, além de ter boatos de abduções entre algumas pessoas. São Paulo fica mais perigosa porque fica infestada de mutantes. As pessoas, com medo, passam a perseguir todos os mutantes, inclusive os do bem. A Progênese é interditada e o DEPECOM resolve colocar sua sede lá. Os agentes do bem são: Aline, Miguel, Nati, Beto, Marcelo, Cláudia, Hiromi e Toni.

 

Julia Zaccarias (Ittala Nandi) toma o elixir da juventude, rejuvenesce e fica com o corpo de Juli di Trevi (Babi Xavier). Ela revela à poderosa vilã Samira (Bianca Rinaldi), que é uma reptiliana disfarçada; mas, o elixir não dura para sempre e, com o tempo, ela vira Júlia Zaccarias de novo.

 

Maria e Marcelo reúnem a Liga do Bem na mansão que pertencia à família Mayer. Este passa a ser o refúgio (ou quartel-general) dos mutantes do bem.

Apresentou Bianca Rinaldi, Leonardo Vieira, Marcos Pitombo, Maytê Piragibe, Gabriel Braga Nunes, Tuca Andrada, Ittala Nandi, Juliane Trevisol, Felipe Folgosi, Juan Alba, Petrônio Gontijo e Babi Xavier nos papeis principais.

Foi escrita por Tiago Santiago, com colaboração de Altenir Silva, Waldir Leite, Gibran Dipp, Maria Cláudia Oliveira, Vívian de Oliveira e Doc Comparato, direção de Vicente Barcellos, Vivianne Jundi, Daniel Ghivelder, Guto Arruda Botelho e Hamsa Wood e direção geral de Alexandre Avancini.

Com a Produção Executiva de Cláudio Araújo.

 

Maria Hernández Lorráz é uma jovem humilde, sem instrução e sonhadora que vive com sua madrinha Cacilda no bairro João Diego, na periferia da Cidade do México, e trabalha como catadora de material reciclável em um aterro sanitário. No dia em que Maria completa 15 anos, sua madrinha falece; antes, porém, em seu leito de morte, Casilda pede ao padre Honório que ele encontre uma residência onde sua afilhada seja acolhida e tenha trabalho. A jovem órfã é acolhida pelo empresário Fernando Dela Vega, patriarca da família Dela Vega, uma das mais abastadas e influentes do país. Ele deseja lapidar a garota e torná-la uma mulher refinada, acolhendo-a como um membro da família. Fernando encontra resistência em sua esposa Vitória Montenegro que, junto da empregada Carlota, despreza Maria desde o primeiro momento.

Luís Fernando, o primogênito do casal Dela Vega, foi abandonado pela sua noiva Brenda, o que transforma-lhe em um indivíduo misógino: ele jura que nunca mais se envolverá afetivamente com mulheres, apenas irá brincar com os sentimento delas. Ele inicialmente envolve-se com Maria com este objetivo, no entanto acaba apaixonando-se por ela. Já Soraya Montenegro é sobrinha de Vitória e, desde a adolescência, almeja conquistar Luís Fernando a qualquer custo. Prepotente e orgulhosa, ela também despreza Maria, a qual se refere sob o adjetivo de “marginal”

María la del Barrio foi exibida em mais de 180 países, sendo a telenovela que alcançou maior internacionalização e o programa mais visto da história da televisão.8 No mundo lusófono, foi exibida no Brasil pelo Sistema Brasileiro de Televisão em seis ocasiões9 10 e, em Portugal, pela RTP1. A trama contou com Thalía no papel-título, Fernando Colunga como o par romântico da protagonista, Itatí Cantoral como a antagonista principal, Ana Patrícia Rojo e Sílvia Caos como as antagonistas secundárias. Ricardo Blume, Irán Eory, Carmen Salinas, Osvaldo Benavides, Meche Barba e Ludwika Paleta interpretaram os demais papéis principais da história.

A novela se inicia em 1999. Genésio é um viúvo solitário que acaba de se casar com Carmen Lúcia, uma mulher aparentemente simples e sem maldade, mas que esconde ser um demônio de ambição que só pensa em se aproveitar de Genésio e planeja um golpe. O plano estaria nos conformes, se não fosse Rita, a filha de Genésio, que esperta descobre todo o plano de Carminha e a desmascara para seu pai. Mas, é tarde demais, e o pior acontece, Genésio morre atropelado em plena Avenida Brasil pelo craque do futebol Jorge Tufão, que acabou de vencer o campeonato brasileiro. Este, cheio de culpa pela morte de Genésio decide se aproximar da recém-viúva Carminha para confortá-la, e ela, mesmo entendendo tudo, vê a oportunidade perfeita para se casar com Tufão e enfim se tornar rica. Além disso, depois de ficar com todo o dinheiro de Genésio, Carminha – com a ajuda de seu amante e cúmplice Max – leva Rita para um lixão, onde ela cresce alimentando um desejo insaciável de vingança.

Foi escrita por João Emanuel Carneiro, com a colaboração de Antonio Prata, Luciana Pessanha, Alessandro Marson, Márcia Prates e Thereza Falcão, tendo direção de Gustavo Fernandez, Thiago Teitelroit, Paulo Silvestrini, André Câmara e Joana Jabace , com direção geral de José Luiz Villamarim e Amora Mautner e direção de núcleo de Ricardo Waddington.

Teve Débora Falabella, Cauã Reymond, Isis Valverde, Marcello Novaes, Leticia Isnard, Eliane Giardini, Marcos Caruso, Vera Holtz, José de Abreu, Juca de Oliveira, Alexandre Borges, Débora Bloch, Camila Morgado, Carolina Ferraz, Heloísa Périssé, Murilo Benício e Adriana Esteves nos papéis principais da trama.

Foi escrita por Glória Perez e dirigida por Jayme Monjardim, Marcos Schechtman, Luciano Sabino, Marcelo Travesso, Teresa Lampreia, Federico Bonani e Carlo Milani.

Contou com Deborah Secco, Murilo Benício, Caco Ciocler, Gabriela Duarte, Eliane Giardini, Murilo Rosa, Mariana Ximenes, Thiago Lacerda, Edson Celulari, Cléo Pires, Christiane Torloni, Floriano Peixoto, Cissa Guimarães, Paula Burlamaqui, Bruna Marquezine e Camila Morgado nos papéis principais da história.

A novela conta a história de Sol, uma garota do subúrbio carioca, que atraída pelas promessas do sonho americano, investe na tentativa de emigrar para os Estados Unidos onde, acredita, há de ter as oportunidades de crescimento que não encontrou em seu país.

Depois de ter por diversas vezes o visto de turista negado, ela apela para os coyotes, e decide entrar no país de maneira ilegal, através do México. É nessa ocasião que ela, aceitando levar o que lhe parece um inocente presente para a mãe de um dos organizadores da travessia, acaba sendo presa pela polícia americana: além de ilegal, estava portando drogas, por causa de Alex, um perigoso contrabandista que ilude Sol prometendo ajudá-la a chegar no território americano, e assim é mandada para a cadeia por causa de Alex, e acaba fugindo da cadeia. Alex é um homem inescrupuloso que finge ser responsável e moral, contando com a ajuda da perigosa Djanira Pimenta para as conclusões de seus crimes. Sol consegue fugir da cadeia e em meio á isso, conhece Ed, noivo de May, que mais tarde aceitará casar-se com ela, para que ganhe o visto de permanencia, mediante pagamento de uma quantia que lhe permitirá pagar a ediçao de seu livro. Sol vai pros EUA andando pelo deserto, vai também de barco pelos oceanos, vai escondida num ar-condicionado dentro de um carro, tudo para ter e dar uma vida melhor para a família.

No coração de Rubi reina uma luta constante entro o desejo de toda mulher de encontrar o verdadeiro amor e uma obsessão desesperada pelo dinheiro. Se o destino negou uma boa situação econômica, em relação favoreceu uma extraordinária beleza física, ela é morena, possui cabelos longos e cacheados, corpo escultural e olhos verdes. E Rubi está decidida a utiliza-la para casar-se com um homem rico que a brinde a vida de luxos a que aspira.

Rubi estuda em uma universidade privada graças a uma meia bolsa e ao apoio de sua irmã Cristina, que trabalha duramente para ajudar a sua mãe a sustentar sua casa.

Na universidade, Rubi se faz amiga de Maribel, uma garota milionária, mais doce e sensível, a quem um acidente deixou deficiente de uma perna. Maribel pensa que em Rubi encontrou, mais que uma amiga, uma irmã, e a quer sinceramente, sem saber que o afeto de Rubi está envenenado pela inveja.

Quando a bela jovem visita a mansão de sua amiga, se convence de que essa é a classe de vida que ela merece, e fará o que seja necessário para consegui-lá.

Produzida por José Alberto Castro e com adaptação de Ximena Suárez, é um remake da telenovela mexicana Rubi, de 1968, criada por Yolanda Vargas Dulché.

A trama é protagonizada por Bárbara Mori, Jacqueline Bracamontes, Sebastián Rulli e Eduardo Santamarina.

A história é ambientada na fictícia cidade Asa Branca, que funciona como microcosmo do Brasil. Há dezessete anos, o coroinha Luís Roque Duarte, conhecido como Roque Santeiro, por esculpir imagens sacras, morreu ao defender os habitantes de Asa Branca dos capangas do perigoso Navalhada, um bandido que havia invadido à cidade. Santificado pelo povo de Asa Branca, que atribui milagres à sua imagem, e outras pessoas buscavam até mesmo a sua canonização, Roque Santeiro tornou-se uma lenda e faz a cidade prosperar com sua história de heroísmo. Mas também despertando o interesse de muitos que se aproveitam da lenda para lucrarem. Só que para o desespero dos poderosos de Asa Branca, Roque Santeiro não está morto, e o pior, está voltando para cidade, depois de dezessete anos, ameaçando pôr um fim ao mito.

Foi escrita por Dias Gomes e Aguinaldo Silva, com base no original do próprio Dias Gomes, a peça de teatro O Berço do Herói, e escrita com a colaboração de Marcílio Moraes e Joaquin Assis. Foi dirigida por Gonzaga Blota, Paulo Ubiratan, Marcos Paulo e Jayme Monjardim, com a direção geral de Paulo Ubiratan e gerência de produção de Carlos Henrique de Cerqueira Leite.

Contou com José Wilker, Regina Duarte, Yoná Magalhães, Ary Fontoura, Eloísa Mafalda, Armando Bógus, Lucinha Lins, Paulo Gracindo, Cláudio Cavalcanti, Lídia Brondi, Fábio Júnior e Lima Duarte nos papeis principais.

A trama de Senhora do Destino é dividida em duas fases. A primeira – exibida em quatro capítulos – se passa em dezembro de 1968, contando a história de três mulheres: Josefa de Medeiros Duarte Pinto, jornalista do Diário de Notícias, uma mulher deslumbrante e valente que acaba se tornando uma inimiga mortal contra a ditadura; Maria do Carmo Ferreira da Silva, uma nordestina humilde que vem para a cidade do Rio de Janeiro em busca de uma vida melhor para si e aos filhos; e Maria de Nazaré Esteves Tedesco, uma prostituta que quer mudar de vida a qualquer custo e jogará sujo para isso.

Maria do Carmo, uma nordestina sofredora, abandonada pelo marido Josivaldo, parte com seus cinco filhos de Belém de São Francisco, no sertão de Pernambuco, rumo ao Rio de Janeiro. Ela se encontra desesperada, por não ver ali um futuro melhor a dar aos filhos, pois vive em extrema pobreza. Portanto, ela escreve ao irmão, Sebastião, pedindo que ele os receba em sua casa.

Sebastião trabalha como motorista para Josefa de Medeiros Duarte Pinto, por quem é secretamente apaixonado. Ela é filha de uma família tradicional e dona do jornal carioca Diário de Notícias, herdado após a morte do segundo marido.

Foi escrita por Aguinaldo Silva com a colaboração de Filipe Miguez, Glória Barreto, Maria Elisa Berredo e Nelson Nadotti. Dirigida por Luciano Sabino, Marco Rodrigo, Cláudio Boeckel e Ary Coslov, com direção geral e de núcleo de Wolf Maya.

Contou com Susana Vieira, Carolina Dieckmann, Eduardo Moscovis, Letícia Spiller, José Mayer, Débora Falabela, Marcello Antony, Leandra Leal, José de Abreu, Marília Gabriela, José Wilker e Renata Sorrah nos papeis principais.

 

A novela conta a história de uma mãe que faz tudo pelos filhos. Sem muita instrução, Dona Xepa (Ângela Leal) fala tudo errado e isso envergonha os filhos Rosália (Thais Fersoza) e Édison (Arthur Aguiar). A feirante ganhou esse apelido por distribuir as sobras em sua barraca aos pobres. Abandonada pelo marido Esmeraldino (José Dumont), Xepa sustenta os filhos trabalhando muito. Rosália é advogada, bonita, ambiciosa, detesta a vida que leva e fará de tudo até conseguir se infiltrar no mundo rico. Já Édison é estudante de arquitetura e apesar de ter vergonha da mãe em alguns momentos, não consegue fazer nada para prejudicá-la.

Nas tramas paralelas também temos conflitos entre mães e filhos. Por exemplo, Lys (Rayana Carvalho), filha de Meg Pantaleão (Luiza Tomé), uma mulher rica, fútil, uma típica perua paulistana que ostenta sua riqueza e tem horror a pobre. Lys tem vergonha da excentricidade da mãe. Também teremos a presença de alguns personagens cômicos, dentre eles, Graxinha (Augusto Garcia). O personagem é o mecânico da vila, um sujeito divertido e exótico. Herdou uma oficina do pai, de onde tira o seu sustento. Inegavelmente, Graxinha é completamente diferente da conhecida figura do mecânico; é afeminado, sensível, educado e frágil.

Contou com Ângela Leal, Arthur Aguiar, Rayana Carvalho, Luiza Tomé, Angelina Muniz, Maurício Mattar, Bemvindo Sequeira, Márcio Kieling, Gabriela Durlo, José Dumont, Emilio Dantas, Giuseppe Oristanio, Ítala Nandi, Gabriel Gracindo, Bia Montez, Alexandre Barillari, Pérola Faria, Robertha Portella e Thaís Fersoza nos papéis principais.

Escrita por Gustavo Reiz, com colaboração de Joaquim Assis, Mário Vianna, Mariana Vielmond, Valéria Motta e Aline Garbati; teve direção de Régis Faria, Rudi Lagemann, Nádia Bambirra. Direção geral de Ivan Zettel, é adaptada da peça teatral homônima criada por Pedro Bloch que inspirou a primeira versão brasileira escrita por Gilberto Braga. Esta é a terceira adaptação da obra para a televisão, anteriormente, Lua Cheia de Amor também era um remake de Dona Xepa.

Bom gente essas foram algumas das novelas que eu acho que chamaram atenção do público. Espero que você tenha gostado.

Até a próxima.

Só para lembrar que teremos mais novelas…