Justiça mostra a Record que apesar de não parecer, no Brasil tem lei

A Record e a extinta Rede Mulher com certeza não esperavam que o juiz Djalma Moreira da 25ª Vara Federal Cível de São Paulo por conta de algumas reportagens veiculadas por ambas na qual foram consideradas ofensivas contra as religiões Afro-Brasileiras.

A Record e seu dono Edir Macedo acham que podem falar o que quiser, de quem quiser e quando quiser e que nós somos obrigados a assistir e nos mantermos calados, acho necessário que todas as pessoas tenham a sua fé e isso deve ser respeitado, a Record e a Igreja Universal se acham acima de tudo e todos, acham que podem ofender e menosprezar as outras religiões de opiniões filosóficas contrária a mesma.

Repudio essas atitudes, assim como foi lamentável o episódio onde uma pastor da IURD quebrou uma estátua de Nossa Senhora de Aparecida, a partir daí vimos do que é capaz a Record e sua tropa da IURD que se acham os donos da verdade, Parabéns a justiça brasileira que mesmo sendo omissa em alguns casos, mostrou a emissora dos bispos que a soberania da constituição brasileira ainda está presente e deve ser cumprida. Espero que a Record se retrate em um ato de humildade!

(Foto: Reprodução/Internet)

(Foto: Reprodução/Internet)