Justiça condena repórter que entrevistou mulher que afirma ter feito “Rubi”

Jonathan

O jornalista Jonathan Sobreiro, da TV Difusora Imperatriz, afiliada do SBT no estado do Maranhão, foi condenado a dois anos de prisão, substituídos por uma pena restritiva de direito a ser definida pelo juízo de execução penal, por injúria preconceituosa. A denúncia foi feita pelo Ministério Público depois que ele entrevistou uma mulher, com visíveis transtornos psíquicos.

No ano passado, a entrevista, veiculada nos dias 16 e 17 de agosto de 2013, no programa “Difusora Repórter”, fez muito sucesso na internet, onde a mulher diz que atuou em várias novelas, além de pedir para Silvio Santos, dono do SBT, não reprisar mais a trama mexicana “Rubi”.

Segundo o texto de condenação, o órgão se apoiou em depoimentos de testemunhas ouvidas no processo e avaliou que a mulher passou a ser ridicularizada na matéria, justamente pelo seu problema psiquiátrico. “O caso revelou-se um total desrespeito à dignidade do ser humano e à sua condição de pessoa com transtorno psíquico. Essa é uma causa importante, que bem simboliza a forma discriminatória e humilhante com que as pessoas com transtorno psíquico ainda são tratadas em nosso país.”, disse a promotora de justiça Alline Matos Pires, efetuadora da condenação, no despacho.

Relembre o vídeo: