“Jornal Nacional” (20/04/15 à 25/04/15) Série de reportagens sobre os 50 anos da Globo

Durante essa semana o “Jornal Nacional”, exibe uma série de reportagens sobre os 50 anos da Rede Globo, com grandes reportagens e coberturas que o telejornal fez durante essa última cinco décadas. Conduzido por William Bonner, o especial reúne, em uma mesa redonda, grandes jornalistas da emissora: Glória Maria, Pedro Bial, Sandra Passarinho, Tino Marcos, Fátima Bernardes, Heraldo Pereira, Marcelo Canellas, Caco Barcellos, Ernesto Paglia, Galvão Bueno, Chico José, André Luiz Azevedo, Renato Machado, Ilze Scamparini, Luís Fernando Silva Pinto e Orlando Moreira.

Com cinco episódios, divididos por décadas, a série relembra os principais acontecimentos no Brasil e no mundo por meio do olhar de quem fez a notícia. Nela, é possível ver, passo a passo, a construção do jornalismo televisivo no Brasil. Os jornalistas falam dos momentos marcantes de suas carreiras, dos colegas de profissão, das dificuldades e desafios para que cada história pudesse ser contatada em detalhes ao público.

O primeiro episódio, que retrata a década de 1965 a 1974, traz vídeos da construção da Globo, a grande enchente de 1966 no Rio de Janeiro e a primeira grande cobertura do ‘Jornal Nacional’: a chegada do homem à Lua, em reportagem de Hilton Gomes. Os jornalistas também falam sobre o desafio de se fazer um telejornal em plena ditadura e com tantas restrições impostas pelo então governo. Foi quando o jornalismo internacional ganhou destaque nas TV, com os episódios como o Setembro Negro, o atentado durante os Jogos Olímpicos de Munique, o escândalo de Watergate e a renúncia do presidente americano Richard Nixon. No episódio, Sandra Passarinho é homenageada pelos colegas que relembram sua grande cobertura da Revolução dos Cravos, em Portugal em 1974.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Na década de 1975 a 1984 são lembrados momentos trágicos como o incêndio do Edifício Andraus, em São Paulo, e a queda do viaduto Paulo de Frontin, no Rio de Janeiro.  O episódio mostra ainda o movimento das Diretas Já, com jornalistas nas ruas cobrindo as manifestações populares.

O terceiro episódio começa com uma comemoração: o Brasil finalmente começa a (re)conhecer a democracia, com Trancredo Neves assumindo a Presidência da República, em 1985. A década até 1994 foi marcada por importantes fatos políticos, não só no Brasil. O jornalismo da Globo mostrou em suas coberturas momentos como o fim da Guerra Fria e a queda do Muro de Berlim, além da primeira eleição direta para Presidente da República, celebrada em todo o Brasil. Foi em 1992 que os olhos do mundo se viraram para o meio ambiente e para o nosso país com a Eco 92. O esporte também ganha destaque com os Jogos Olímpicos de Barcelona e a conquista de medalhas para o país. Dois anos depois, o mundo chora a morte de Ayrton Senna e o Brasil enfrenta a inflação, o congelamento das poupanças e a instituição do Plano Real.

No período de 1995 a 2004, o jornalismo perde dois grandes nomes: Roberto Marinho e Tim Lopes. O esporte teve duas Copas do Mundo, com uma derrota em 1998 e a vitória em 2002. Luiz Estevão e o juiz Nicolau dos Santos Neto preenchem as manchetes com escândalos de corrupção. Esse também foi um período marcado por desastres naturais com furacões, terremotos e tsunamis que chocaram o mundo e devastaram países.

Para fechar a série, os anos de 2005 a 2014 começam com a morte do Papa João Paulo II e uma ampla cobertura da Globo durante a despedida do pontífice no conclave, que apresentaria um novo líder da Igreja Católica após 27 anos. O escândalo do mensalão é exibido para todo o país em reportagens e os EUA elegem Barak Obama, primeiro presidente negro da história. A tomada do Morro do Alemão, no Rio de Janeiro, dá um Emmy ao ‘Jornal Nacional’ pela ampla cobertura realizada. O incêndio da Boate Kiss, no Rio Grande do Sul, choca o país e o povo volta às ruas em 2013 para protestar sobre o aumento de tarifas no transporte público. O Brasil sedia pela primeira vez uma Copa do Mundo e a eleição presidencial de 2014 entra para a história como a mais acirrada de todos os tempos.

Divulgação: Rede Globo