Greve dos metroviários continua na segunda-feira

greve metro sp

Metroviários decidiram em assembleia na sede do sindicato da categoria continuar em greve, informa a repórter Tatiana Santiago. Os grevistas devem organizar uma nova assembleia na segunda-feira (9) às 13h. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), convocou os metroviários a voltarem ao trabalho na noite deste domingo (8). “Hoje o TRT decidiu que a greve é a abusiva, totalmente ilegal. Hoje não tem discussão, ela é totalmente ilegal. O TRT definiu o índice do dissídio e a proposta adotada foi a do Metrô. Então, não tem o que discutir”, disse.

Alckmin lembrou que os funcionários que não retomarem as suas atividades podem ser demitidos por justa causa. “O dissídio não se discute. Agora nós estamos discutindo o direito de trabalhar de mais de cinco milhões de pessoas que precisam do Metrô. Quero deixar claro que quem não for trabalhar incorre na possibilidade de demissão por justa causa”, afirmou.

O governador de São Paulo disse esperar que a paralisação termine ainda na segunda-feira (9). Ele afirmou ainda que não descarta utilizar a polícia “para garantir a segurança de quem quer trabalhar.

Alckmin afirmou ainda que a categoria costuma receber aumentos acima da inflação. “O Metrô fez o melhor possível. Todos os anos os aumentos são maiores que a inflação”, disse. Para o governador, a paralisação foi feita por um “grupo pequeno de radicais, por interesses menores”. “Não vão subjugar nem o Metrô nem a decisão judicial”, declarou.

Rodízio suspenso
Devido à continuidade da greve dos metroviários, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) manteve a suspensão do rodízio na manhã desta segunda-feira para veículos com placas 1 e 2. As restrições para circulação de caminhões e fretados, no entanto, permanecem. Após a assembleia dos metroviários, que acontecerá às 13h, a CET deve informar se a suspensão continua mantida para o período da tarde.

Decisão da categoria
Os metroviários decidiram manter a greve em São Paulo, que já dura quatro dias. Mesmo após decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SP), que neste domingo considerou a greve abusiva, os trabalhadores decidiram em assembleia manter a paralisação. A categoria deve se reunir novamente nesta segunda-feira, às 13h.

Antes do fim da reunião, houve um princípio de tumulto entre os sindicalistas favoráveis à continuidade da greve e aqueles que defendiam que a categoria volte ao trabalho. “Tem uma Copa do Mundo, o maior evento esportivo do mundo. O governo do estado tem eleições no fim do ano, tem que negociar. Temos que enfrentar o governo”, justificou Altino Melo dos Prazeres, presidente do Sindicato dos Metroviários.
Por determinação do TRT, os sindicatos serão multados em R$ 500 mil por dia parado. Até antes do julgamento do dissídio, a multa diária era de R$ 100 mil. Altino afirmou que serão feitos piquetes pacíficos em pátios e estações do Metrô nesta segunda-feira. O objetivo é dialogar com os trabalhadores e conseguir novas adesões para a greve.

“Da 0h do dia 5 até aqui, nós vamos computar 100 mil por dia de multa, pode ser considerada por fração. Depois do julgamento, as partes estão cientes, nós vamos computar 500 mil por dia”, afirmou o desembargador Rafael Pugliese após o julgamento.
O tribunal também ratificou a proposta de reajuste de 8,7% do Metrô, alegando que é preciso considerar a “boa fé e capacidade financeira” de pagamento da Companhia. Os metroviários pedem aumento de 12,2%. Logo no início da assembleia deste domingo, os trabalhadores vaiaram a decisão do tribunal.
O governo chegou a propor 8,8% de aumento, mas depois declinou da oferta, e manteve o valor de 8,7% de reajuste nesta sexta-feira (6). Os metroviários seguiram com pedido de aumento de 12,2%. “A gente quer o aumento de dois dígitos como o Haddad deu, de 10%, para os motoristas”, defendeu o presidente Sindicato dos Metroviários.
Durante a assembleia, os metroviários chegaram a vaiar a decisão judicial sobre reajuste salarial apresentada pelos representantes do Metrô.

Estações fechadas
Neste domingo, a cidade de São Paulo amanheceu com 4 linhas do Metrô funcionando parcialmente, com algumas estações fechadas. Por volta das 12h30, a linha 1-Azul operava no trecho Ana Rosa e Luz; a linha 2-Verde entre Ana Rosa e Vila Madalena; e a linha 3-Vermelha entre Bresser-Mooca e Marechal Deodoro.
A linha 4-Amarela, que operou normalmente neste sábado (7), está com interdições no trecho entre as estações Paulista e Faria Lima por causa da execução de obras nas futuras estações Fradique Coutinho e Oscar Freire.
Nesse trecho, está implantada a operação Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência), que coloca ônibus à disposição dos passageiros. A linha 5-Lilás funciona normalmente desde as 4h45.
Plano de contingência
Na tentativa de minimizar o impacto da greve, o Metrô colocou em prática um plano de contingência. Supervisores e funcionários foram remanejados para manter o sistema em funcionamento em determinados trechos das linhas 1, 2 e 3 nestes três primeiros dias da greve.
Linhas de ônibus também foram mobilizadas para transportar os passageiros nos trechos onde a circulação foi paralisada. A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também adotou uma operação especial na tentativa de auxiliar os usuários do Metrô.