Geraldo Alckmin volta a falar sobre a morte do seu filho

O governador de São Paulo Geraldo Alckmin em entrevista a uma grande revista voltou a falar sobre a morte de seu filho, questionado sobre como vem enfrentando a morte do seu filho o governador disse:  A minha vida se dividiu entre antes e depois do dia 2 de abril. Entre antes e depois da morte de meu filho. Sinto dor 24 horas. É uma dor sem fim. Uma dor que não passa. Estamos aqui conversando, viajando, trabalhando, estou 24 horas sentindo dor. Mas é impressionante como eu tenho lido bastante sobre a vida após a morte.

Perguntado se alguma mensagem especial o confortou, o político disse: Eu vim agora no avião pela United Airlines e toda a tripulação era americana. Quando o avião pousou em Washington, o comissário foi lá no meu assento e me disse: “O comandante pediu para eu lhe dar este bilhete.” Era uma cartinha, assinada pelo piloto e pelo co-piloto do avião. Um cartãozinho deles em solidariedade ao colega, piloto, Thomaz, com todo carinho a nós. Nossa, a Lu ficou com o coração confortado.

Já quando foi perguntado sobre como a família enfrentou o primeiro dia das mães sem Thomaz, o governador disse: Nós fomos à missa. Vamos normalmente na Igreja de Santo Antonio. Almoçamos em família. Thomaz nos deixou duas netinhas. Uma de 11 anos, que está fora, e uma de 30 dias. A Isabela e a Julia. Força, né?

(Foto: Reprodução/Internet)

(Foto: Reprodução/Internet)