Escritora mexicana vencedora do Prêmio Cervantes diz que dará voz a oprimidos

A escritora e jornalista mexicana Elena Poniatowska, que na próxima quarta-feira receberá o Prêmio Cervantes vestindo um traje indígena “vermelho berrante e amarelo”, feito pelas mulheres de Juchitán, do estado de Oaxaca (México), dará voz em seu discurso a todos aqueles que nunca a tiveram. “Falarei do México, da América Latina e do povo ao qual ninguém dá importância, as pessoas que não têm voz, não têm carros – talvez um burro”, disse hoje Poniatowska que acaba de chegar à Espanha para assistir aos vários atos organizados em sua homenagem por ocasião da entrega do Prêmio Cervantes.
A escritora foi hoje à Biblioteca Nacional, a um encontro com jornalistas, vestida com um traje rosa mexicano e acompanhada por vários de seus filhos e por sete de seus 11 netos, e, em relação a sua trajetória como jornalista engajada, afirmou que o ofício, pelo menos na América Latina, “é um jornalismo de indignação e de denúncia”. “O jornalismo é muito útil porque é uma grande lição de modéstia e humildade, pelo menos no México, onde os jornalistas vivem situações duras e terríveis. É o país mais perigoso do mundo para os jornalistas”, sobretudo nos estados que fazem fronteira com os Estados Unidos, muito afetados pelo narcotráfico, dizia Poniatowska.
No mesmo sentido, a escritora dizia que o jornalismo na América Latina “é muito diferente. A realidade entra em sua casa, te enforca. É muito difícil você escrever sozinho em sua casa quando fora dela acontecem coisas que te puxam. Faz-se um jornalismo de dentro para fora. Acho que o compromisso do jornalista é com as causas nobres, ele não pode ser um funcionário de um empresário”. No encontro com a imprensa, a autora de “A noite de Tlatelolco” falou muito sobre Gabriel García Márquez e a José Emilio Pacheco, “um amigo extraordinário, um visionário”. Ambos serão mencionados em seu discurso.
“O que Gabo fez pela América Latina foi único, a fez voar, assim como Remédios, a Bela, saiu voando. Ele deu asas à América Latina”. “É um autor que quando o leitor termina um livro seu, sabe que sempre vai amá-lo”. Poniatowska foi acompanhada pelo secretário de Estado de Cultura, José María Lassalle, que disse que a escritora “elevou o jornalismo à categoria das Belas Artes” e sublinhou sua “militância ética”. (Agência Efe)