Escritor Philip Roth diz que se aposentará em última entrevista para BBC

O escritor norte-americano Philip Roth, um dos romancistas mais reverenciados do mundo, confirmou que irá se aposentar da escrita e das aparições públicas em uma última entrevista para a rede britânica BBC.
Roth, de 81 anos, que escreveu mais de 30 livros e conquistou numerosos prêmios, deu seu testemunho para um documentário de duas partes filmado em sua cidade natal de Newark, em Nova Jersey, que será exibido na terça-feira e na semana que vem.
“Esta é minha última aparição na televisão, absolutamente minha última aparição pública onde quer que seja”, disse ele ao apresentador Alan Yentob, de acordo com uma prévia divulgada nesta segunda-feira.
Roth fez o anúncio 18 meses atrás depois de afirmar a uma revista francesa que seu 31º livro, “Nêmesis”, sobre uma epidemia de pólio ficcional em 1944 que foi publicado em 2010, seria seu último.
Indagado por Yentob a respeito de uma declaração de 2004 de que não poderia viver sem escrever, Roth respondeu: “Estava errado. Tinha chegado ao fim. Não havia mais nada sobre o que escrever”.
“Lancei-me à grande tarefa de não fazer nada. Diverti-me muito nos últimos três ou quatro anos”.
Roth é um dos escritores mais saudados dos Estados Unidos, com romances que exploram a vida moderna de judeus norte-americanos. Ele conquistou o prêmio Pulitzer de 1997 com o livro “Pastoral Americana”.
Conhecido sobretudo por seu autobiográfico e nada confiável alter ego Nathan Zuckerman, ele chamou a atenção da crítica pela primeira vez aos 28 anos, quando a novela “Adeus, Columbus” lhe rendeu o prêmio National Book Award de ficção de 1959.
Em sua entrevista final, Roth discute o impacto de seus trabalhos mais importantes, informou a BBC em um comunicado.
“Philip Roth … certamente teve mais a dizer sobre a vida norte-americana moderna do que qualquer autor contemporâneo”, declarou o canal de TV.

(Agência Reuters)