Em entrevista de Walcyr Carrasco sobre a novela Amor à Vida, ele evitou falar de Marina Ruy Barbosa

Em entrevista ao Yahoo Walcyr Carrasco, autor de “Amor à Vida” respondeu a quatro perguntas para . O escritor respondeu rapidamente o e-mail (em 30 minutos!), “falou” pouco, mas “falou”. Afinal de contas, ele, que mora em São Paulo, acompanha de perto as gravações finais de seu folhetim (no Rio). Precisa dizer que ele está feliz com o sucesso de sua primeira trama das nove e que Mateus Solano roubou a cena, não, né?  A novela chegou aos 48 pontos de média na reta final e conseguiu o feito de transformar um casal gay em protagonista. Mas o folhetim também teve problemas. Um deles foi Marina Ruy Barbosa que, por conta do (não) corte de seu cabelo,  mudou o rumo de seu núcleo e foi eliminada da história. Na hora de “falar” da ruiva, aliás, Walcyr saiu pela tangente. A novela também deixou de escanteio alguns bons atores e não se aprofundou muito na maioria dos temas propostos. Confira o que autor respondeu.

O grande mérito de “Amor à Vida”, entre outras coisas, foi fazer o público gostar e torcer para um casal gay pela primeira vez. Niko e Félix viraram protagonistas da novela e foram muito além da questão do beijo. Esse é o grande destaque do folhetim?
Carrasco: Acho que a novela teve muitos grandes destaques, com ênfase em questões que merecem a atenção da sociedade, como o autismo, a doação de órgãos, a leitura, enfim… Foi uma novela muito abrangente, e muitos temas polêmicos foram discutidos, entre eles a homofobia.

A sinopse de Nicole, Thales e Leila foi modificada por causa de toda a história do cabelo de Marina Ruy Barbosa. Você trabalharia com a atriz novamente?
Carrasco: Você fez uma afirmação. Se eu responder à pergunta, estarei concordando com sua afirmação, o que não é exatamente o caso. Nota do blog: ao jornal “Extra” ele deu a seguinte resposta para a mesma pergunta: “Acredito que as relações mudam ao longo da vida. Tanto para pior quanto para a melhor”.

A cena em que Neide (Sandra Corveloni) se descontrola com Linda (Bruna Linzmeyer) foi maravilhosa. Sandra é uma atriz premiada, acha que poderia explorado melhor o trabalho dela na história?
Carrasco – Eu estou satisfeitíssimo com o trabalho da Sandra, que é uma grande atriz. Mas a novela contou várias histórias, e era preciso dar espaço para todas. Nota do blog: Sandra faturou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes em 2008 pelo filme “Linha de Passe”.

Por conta da redenção de Félix, a vilania de Aline foi inevitavelmente mais destacada?
Não é assim que penso uma novela. O processo de trabalho não é racional como você está colocando. Eu vou escrevendo, criando, sem pensar que um personagem está ganhando espaço de um tipo ou de outro, ou o motivo disso.

Em Off