Eike Batista está sem dinheiro até para comprar bananas com apreensões feitas pela justiça

A Polícia Federal por determinação da Justiça Federal fez apreensões nesta sexta-feira (6) na casa do empresário Eike Batista, no Jardim Botânico, Zona Sul do Rio, para cumprir mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça. Uma decisão judicial determinou esta semana o bloqueio de bens do empresário e de parentes.
Durante a operação, que teve como objetivo garantir o pagamento de indenizações, foram apreendidos o celular do empresário, documentos, carros, um piano e relógios, e cerca de R$ 80 mil em dinheiro. Indignado o advogado Sérgio Bermudes disse que foi decisão selvagem e brutal.

“Não deixaram dinheiro nem para ele comprar bananas para o filho de 3 anos. A Polícia Federal foi extremamente correta e cortês. Mas a decisão judicial só pode ser classificada como fúria selvagem. E o juiz Flávio Roberto de Souza foi covarde porque deu a decisão mas não teve coragem de assinar o documento. A decisão judicial de busca e apreensão de todos os bens do Eike Batista foi assinada pelo juiz Vítor Valpuesta”, disse Bermudes.

Segundo Bermudes, a apreensão de todos os bens do empresário foi para garantir o pagamento de indenização de vítimas de supostos atos fraudulentos, caso Eike seja condenado. No entanto, o advogado informou que o processo que corre na 3ª Vara Federal Criminal ainda está no início.
“Isso foi um ato de vingança do juiz, que na primeira audiência do processo para ouvir testemunhas deu uma série de declarações à imprensa emitindo conceitos sobre Eike, dizendo que ele era megalomaníaco e que este seria o primeiro caso de um culpado de manipulação de mercado. Ou seja, ele fez uma antecipação de julgamento. E os advogados criminais dele, Ary Bergher e Rafael Matos, arguiram a suspeição do juiz após essas declarações”, explicou Bermudes, destacando que Eike só poderá ser condenado após o processo ser transitado e julgado e se esgotarem todos os recursos previstos em lei.

O advogado disse ainda que o correto seria fazer um levantamento de todos os bens do empresários, acautelá-los e deixar Eike como fiel depositário. Bermudes lamenta que os carros, o piano, quadros e obras de arte vão ficar mal acondicionados em depósitos da Justiça Federal, sofrendo a ação do tempo.
“Processos como esse, que ainda estão no início, demoram. Isso significa que os bens vão ficar largados por anos. Vamos entrar ainda nesta sexta-feira, com medidas judiciais contra essa situação. Vamos denunciar o juiz Flávio de Souza ao Ministério Público, ao Conselho Nacional de Justiça, arguir a suspeição e denunciar no Tribunal Regional Federal”, garantiu, indignado Sérgio Bermudes.