Débora Secco confessa que teve depressão esse ano

(Foto:AgNews)

(Foto:AgNews)

O ano de 2014 não foi muito bom para Débora Secco. Isso porque a atriz de “Boogie Oogie” teve depressão esse ano, mas só confessou agora. A musa contou em uma entrevista a revista “Caras” que precisou ficar internada algumas vezes. A situação, segundo ela, surgiu logo após concluir as gravações do filme ‘Boa Sorte’, a qual ela interpretou uma mulher com Aids.

“Teve uma fase em que fiquei bem depressiva, achando que não valia a pena tanto sofrimento para, no fundo, nada. Em meu laboratório, me lembro de uma menina de 12 anos soropositiva. Disse que ela iria para o céu, um lugar especial. Ela respondeu: ‘De verdade, de verdade, não sei, ninguém sabe. De verdade, se tiver outra vida, não sei se vai ser legal como essa. De verdade, o que sei é que gosto de bolo de chocolate com brigadeiro. Você traz para mim?’  Levava toda semana porque, de verdade, de verdade, a gente não sabe por que está aqui. E isso me deixou deprimida. Foram quatro meses, com algumas internações nesse período”, disse ela.

Deborah explicou que o principal motivo para a depressão foi o fato de ter parado de fazer o papel: “Foi como se eu tivesse perdido metade de mim, minha melhor parte. Minha vida voltou a ser chata sem ela. Você vive aquele mundo e, de repente, volta para sua casa que não é tão interessante assim. Sua vida não é um filme, não tem trilha sonora nem planos incríveis e mirabolantes. Então, é muito difícil desapegar de tipos tão arrebatadores. Essa despedida é cruel. Mas o tempo é senhor de muitas coisas. Uma delas é fazer o que é muito grande ficar menor. Mostra que as dores são curáveis”.

 A atriz contou como superou a depressão: “Porque estou viva, estou aqui. Acho que não tenho que questionar e ser feliz com o que me é dado agora, neste instante. Sou pessoa de fé, acredito que de fato tem algo a mais. Estou aqui para evoluir. Creio que amanhã posso ser melhor do que sou hoje. Aprendi a enxergar meus defeitos, a trabalhá-los da melhor maneira possível, a cultivar o desapego à matéria, ao que realmente não tem valor. E me apegar ao que vale, ao amor”.