Datena dispara que prefere notícias de chuva do que crimes

O primeiro mês do ano é de muita chuva e de temporais em São Paulo, parece deixar José Luiz Datena, apresentador do “Brasil Urgente”, na Band, mais animado do que nunca. Nesta quinta-feira (08), por exemplo, ele deixou o estúdio da emissora e foi até a rua para narrar a chegada de mais uma chuva forte à cidade.

O “Brasil Urgente” tem oscilado nestes primeiros dias de janeiro entre 4 e 5 pontos de média no Ibope, com picos de até 10 (como ocorreu na quarta-feira, 7). É uma audiência semelhante à média do programa em 2014.

Datena confessa preferir falar de chuva do que de crimes. “É uma forma de fugir da violência. É menos punk”, diz. “Quando chove, eu mostro a violência contra o cidadão de outra forma”, acrescenta.

Sobre a sua saída do estúdio, de guarda-chuva, o apresentador comenta: “Não dá para fazer brincadeira misturada com crimes e violência. Com chuva até dá para tratar com algum humor”.

Como sempre, Datena reclama de ter que apresentar o “Brasil Urgente”. Diz estar cansado, que gostaria de mudar o programa, mas não consegue. “O Diego Guebel (diretor da Band) está pensando em fazer mudanças. Quero ver…”, diz. “Os caras não me tiram do ar. Não é contrato. Tô cumprindo pena até 2017”, ri.

O apresentador faz uma observação sobre a vulgarização da violência no Brasil. “Aquela cena dos terroristas em Paris matando um policial no chão chocaram o mundo. Aqui, são cenas que a gente vê de forma quase corriqueira. Infelizmente faz parte do nosso dia a dia.”DatenaChuva