Curiosidades sobre as lâmpadas de LED

As lâmpadas de LED (Diodo Emissor de Luz) têm conquistado cada vez mais espaço dentro da casa dos brasileiros. Afinal, sua vida útil mais longa e a economia que promove compensam o custo da lâmpada, que ainda é considerado alto quando comparado aos modelos fluorescentes e incandescentes. Para estimular essa substituição, que é até mais ecológica, Gonzalo Ronda, Gerente de Produtos da LLUM|BRONZEARTE conta quatro curiosidades sobre as lâmpadas de LED:
1) LED dificilmente queima: de acordo com Ronda, as lâmpadas de LED têm uma vida útil de até 50 mil horas – contra 1000 horas das lâmpadas – e esse tipo de produto também dificilmente queima. “As lâmpadas de LED vão perdendo a intensidade luminosa com o passar o tempo. Além disso, essas 50 mil horas podem significar até 10 anos, dependendo do quanto a pessoa usa o LED. Com um driver interno que a faz funcionar, esse tipo de lâmpada só vai queimar se houver algum problema com esse dispositivo eletrônico”, explica.
2) Ela também esquenta: Gonzalo Ronda conta que para produzir a luz, o cristal de diodo produz energia e, com isso, gera calor, que é dissipado por saídas desenvolvidas especificamente para este fim. “É por causa desses dissipadores de calor que não se pode, por exemplo, colocar uma lâmpada de LED em uma luminária feita pra receber lâmpadas halógenas ou fluorescentes. Ela não conseguiria se livrar do calor e estragaria rapidamente.”
3) Adaptação: “muita gente já me disse que tem restrições à troca das lâmpadas halógenas e fluorescentes pelo LED porque acha que vai precisar trocar todas as instalações da casa, mas isso não é verdade. Muitas lâmpadas de LED já podem ser encontradas com soquete de rosca.
4) Vale o custo: as lâmpadas de diodo ainda são consideradas caras por muitos brasileiros, mas Ronda garante que elas valem cada centavo. “Se colocar na ponta do lápis os custos com a troca de lâmpadas fluorescentes em 10 anos e o custo da conta de energia, o LED sai ganhando porque tem maior durabilidade e economia. Não apenas requer menos energia para funcionar, como dura por muito tempo”, destaca.