Cuidado para não cair em armadilhas nas compras no exterior

Vai viajar nas férias? Educador financeiro lista 7 armadilhas em compras no exterior
Resistir à tentação das compras é tarefa praticamente impossível ao viajar para o exterior. Os preços atrativos e as novidades tecnológicas que ainda não chegaram por aqui, por exemplo, são um convite para abrir a carteira. Mas alguns cuidados são necessários para não cair em armadilhas, alerta Álvaro Modernell, diretor da Mais Ativos Educação Financeira.
Ele e o também educador financeiro Newton Machado lançaram recentemente um livro que serve de guia para quem vai para fora do País. Em Passaporte para viajar mai$, os autores abordam, entre diversos temas, os cuidados que as pessoas devem tomar ao fazer compras.

Confira 7 erros comuns:
1) Deslumbramento – Especialmente que não está acostumado a viajar ao exterior, ao se deparar com tantas novidades, preços acessíveis e vontade de trazer lembranças e “troféus” da viagem muitas vezes passam da conta e acabam se arrependendo dos excessos.
2) Comprar por impulso – As oportunidades podem parecer tão boas que muitos acabam comprando até o que não precisam, como roupas de montanha, trajes típicos ou equipamentos de esporte que nunca vai praticar. Afinal, o psicológico trai as escolhas lembrando que “no Brasil custaria o triplo”.
3) Levar gato por lebre – Se o preço for abaixo do valor de mercado, desconfie. O produto pode ser recondicionado, defeituoso, ilegal, roubado ou falso. Avalie se a loja merece sua confiança e seu dinheiro.
4) Olhar apenas o preço anunciado – Nem sempre o valor nos anúncios é o custo final. Atenção com as letras miúdas. Muitas ofertas são apenas chamariz. Nos EUA, existem taxas e impostos que elevam o valor final do produto. Em serviços como táxis e restaurantes, é sugerida gorjeta de 15% a 20% sobre o valor final. Mas, lá, diferentemente daqui, a “sugestão” de gorjeta é como se fosse obrigatório. Procure saber antes o preço final.
5) Comprar produtos incompatíveis com a realidade brasileira – Exemplo: produtos que exigem refil inexistente no Brasil, leitores de DVD, Blue-ray ou jogos que não leem discos de outra zona, filmes que não têm legenda ou áudio em português, etc.
6) Exceder a cota de compras – Apesar das pechinchas infinitas, no exterior há um limite de isenção de impostos para compras que poderá ser verificado na chegada ao Brasil. São 500 dólares em viagens aéreas ou marítimas, e 300 dólares por viagens terrestres ou fluviais. Sobre o valor que ultrapassar esse limite, incidirá imposto de importação de 50% para a maioria dos produtos, isso se a declaração for voluntária. Caso contrário, poderá incidir, ainda, multa de outros 50%. Aquilo que parecia uma pechincha pode ficar caro.
7) Estourar o orçamento – É tão fácil usar o cartão de crédito para fazer compras… Só não se pode esquecer que a fatura vai chegar, turbinada pelo IOF e sujeita à variação cambial. Para evitar susto no dia do vencimento, registre todos os gastos e saiba quanto já gastou até cada momento da viagem, fazendo balanços eventuais.