Clarão visto em vários estados do nordeste pode se repetir.

Imagens tiradas por um dos moradores do local

O posicionamento da Terra em relação a uma chuva de meteoros pode explicar o clarão que iluminou o céu do estado de Pernambuco e de pelo menos outros quatro estados nordestinos na noite da quarta-feira. Até o próximo dia 29 deste mês, o planeta estará passando pela Chuva de Meteoros “Orionídea” – da constelação de Órion – e cerca de 30 corpos celestes cruzarão o céu diariamente, com possibilidade de serem vistos a olhos nu, como foi vista nesta semana.

Com a aparência de um círculo de fogo e o tamanho de uma bola de futebol, o bólido, como é denominado pelos cientistas, foi visto em Pernambuco, Rio Grande do Norte, Paraíba, Sergipe e Ceará, por volta das 22h20, durante quatro segundos. “Conhecido como estrela cadente, o meteoro é o efeito provocado pela passagem de meteoroides pela atmosfera. Desde 2012 não registrávamos um que chamasse tanta atenção”, explica o integrante da Sociedade Astronômica do Recife, Leonardo Neves. De acordo com ele, quem quiser acompanhar as próximas passagens deve olhar para o Leste, em direção às estrelas Três Marias, a partir das 21h30.

O fenômeno pode ter sido provocado por fragmentos da última passagem do Cometa Halley pelo Sistema Solar, em 1986, o que só poderia ser comprovado com análise de amostras.

Para o químico e diretor do Espaço Ciência, Antônio Carlos Pavão, o tamanho do meteoro gerou visibilidade acima do normal. “Na verdade, meteoros estão cruzando nosso céu o tempo todo, mas às vezes só podem ser vistos por microscópios.”