“Boogie Oogie” exagera no Clichê e Reiteração

Boogie OogieSandra (Isis Valverde) e Vitória (Bianca Bin) foram trocadas na maternidade. Só não sabe quem não sintonizou em “Boogie oogie” nos últimos tempos por um momento que seja. De duas semanas para cá, só se fala nisso na novela. A um ponto que parece piada.

Num capítulo recente, Sandra e o namorado, Rafael (Marco Pigossi), protagonizaram um diálogo surreal. Ele conhece a verdade. Ela, parcialmente: está a par da troca das crianças, mas não imagina que seja uma delas. Ele demonstrou angústia profunda: como reagirá a pessoa ao descobrir que “não é quem sempre imaginou, tem outra família, outra vida?”, perguntou. Ela, embora solidária com o drama, não esboçou um mínimo de curiosidade acerca da identidade dos envolvidos. Um total absurdo. Como os atores são ótimos, a sequência ganhou uma dose mínima de credibilidade.

Depois dessa conversa de surdos, vimos a história se espalhar. Madalena (Betty Faria) já se trancou mais de uma vez com Fernando (Marco Ricca) para especular sobre “o que acontecerá quando Carlota (Giulia Gam) descobrir”. Como disse Madalena a ele nos últimos dias: “Parece um filme de terror isso dos bebês trocados!”. Fernando ainda não se convenceu, apesar de uma prova cabal: Sandra tem uma marca de nascença igual à dele. Não que todos os personagens já a tenham visto. Mas, de tanto garantirem, parece que ela existe mesmo.

Inês (Deborah Secco), Susana (Alessandra Negrini) e Tadeu (Fabrício Boliveira) também não falam em outra coisa. E cada frase é repetida pelo menos uma vez.

Se o elenco não defendesse tão bem essa trama, a situação cairia no ridículo maior. Tudo bem que a novela das 18h não é missão para um Champollion diante da Pedra de Rosetta. Mas a reiteração em “Boogie oogie” chega a ser um insulto à inteligência do seu público.

 

Kogut