Autora de “Sete Vidas” dispensa comparações com Maneco

Desde que começou a fazer novelas, a autora Lícia Manzo tem chamado a atenção do público por um motivo: a  assemelha aos folhetins dos tempos áureos de Manoel Carlos.

Isso já havia acontecido na trama de estreia da autora Lícia Manzo, “A Vida da Gente”. Ela é frequentemente vista como a sucessora de Maneco, que se aposentou das novelas com “Em Família” e se dedica agora somente a projetos menores, como minisséries.

“Seria uma pretensão minha me colocar no posto de herdeira dele. Fico honrada, claro, com a comparação, mas acho que não é merecida. Ele é um decano, fez milhares de coisas. Eu estou começando”, diz, humildemente. “O que eu acho e algumas pessoas dizem é que há uma aproximação porque as novelas dele falam preferencialmente sobre temas humanos, de família, que tendem a ser meu foco principal”, avalia.