Apresentadora de TV de Anápolis, GO paralisa 40 políciais por fingir sequestro

A modelo e apresentadora de TV Erika Carneiro Morais, de 31 anos, forjou o próprio sequestro na noite de quinta-feira (20), em Anápolis. Em depoimento à Polícia Civil, ela confessou que o objetivo era chamar a atenção do ex-namorado. Cerca de 40 agentes da Polícia Militar, Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal de várias cidades da região foram mobilizados para atender a falsa ocorrência. A operação de busca durou cerca de duas horas.
“Houve uma grande mobilização. Todas as rodovias foram bloqueadas para evitar a fuga dos sequestradores, houve um trabalho intenso dos policiais e de cerca de 20 viaturas. Ela acabou sendo depois encontrada e, diante da situação, confessou que se tratava de um falso sequestro”, afirma o delegado titular do 1º Distrito Policial, Renato Rodrigues de Oliveira.

face

Segundo a polícia, por volta de 21h, ela postou no Facebook uma mensagem dizendo que havia sido sequestrada ao voltar de Pirenópolis, a 100 km de Anápolis. No texto, Erika dá detalhes dos sequestradores e afirmava que a bateria do celular estava acabando.

Depois, ela ligou para o 190 da Polícia Militar informando que aproveitava de um momento de descuido dos sequestradores para pedir socorro. Durante a ligação, que durou cerca de 15 minutos, a apresentadora deu detalhes sobre o sequestro. “Ela informou que havia dois motociclistas e um motorista em um VW Gol vermelho que faziam o sequestro dela. Chegou a dar as características físicas dos homens e informou que estava perto de uma plantação de eucalipto. Foi criativa”, afirma o delegado.
Com as informações da localização, a polícia identificou o local onde a mulher estava. Ao ser levada à delegacia, ela acabou confessando a farsa. “Depois que foi encontrada, ela acabou sendo confrontada com as divergências nas narrativas e confessou que tinha feito aquilo para chamar atenção do ex”, explica Renato Oliveira.
De acordo com a Polícia Civil, foi registrado um termo circunstanciado de ocorrência (TCO) e Erika deverá responder na Justiça pelo artigo 340 do Código Penal que trata da falsa comunicação de crime, com pena de um a seis meses de prisão ou multa. Além disso, ela deverá ressarcir o valor das despesas com a operação de resgate.